Acessibilidades em Lisboa. Opinião de Raquel Rodrigues.

1 Jul

Entrevista de Inês Maia, estudante de Sociologia, a Raquel Rodrigues, cidadã lisboeta com mobilidade reduzida que se desloca em cadeira de rodas.

Raquel Rodrigues tem 34 anos e é natural de Lisboa. Licenciada em Psicologia pela Universidade Lusófona, encontra-se a concluir o mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde e trabalha actualmente na Secretaria da Junta de Freguesia da Pontinha. Participa activamente na Associação Casa do Chapim, como Presidente do Conselho Fiscal.

Inês Maia (IM): Quais os percursos que compõem o seu dia-a-dia? Encontra obstáculos à acessibilidade nesses percursos?

Raquel Rodrigues (RR): Agora como estou a trabalhar na Junta de Freguesia da Pontinha e moro perto, vou na cadeira de rodas de casa para o trabalho e do trabalho para casa. Quando vou para a fisioterapia ou para o yoga adaptado em Benfica vou de autocarro. A maioria dos autocarros tem uma rampa e eu consigo entrar normalmente. É fácil quando há a tal rampa [risos]. Muitos ainda não a têm e alguns já têm mas está avariada. Também ando muito de metro quando vou passear. O metro é sem dúvida muito mais rápido e hoje em dia já há elevadores em algumas estações. Para entrar mesmo para dentro do metro peço ajuda a alguém. Mas já aconteceu várias vezes chegar a uma estação, sair do metro para apanhar o elevador para a rua e o elevador estar avariado. Tenho que entrar novamente no metro e sair noutra estação.

­­

IM: Encontra outros obstáculos à acessibilidade em Lis­­­­boa? Que soluções propõe?

RR- Sem dúvida que a falta de civismo das pessoas é o principal obstáculo. Já não há muitas acessibilidades e o que há é imensas vezes tapado com carros. Na minha rua fizeram um único rebaixamento de passeio e esse rebaixamento está sempre bloqueado. Todos os dias ponho um papel no vidro do carro que diz “os passeios rebaixados são para pessoas com mobilidade reduzida. Respeitem!” Mas ninguém liga.

Também existem passeios que só têm o rebaixamento de um dos lados. Portanto não vale a pena. É mais fácil ir pela estrada, apesar de ser perigoso. Além disso, os passeios em calçada nas zonas de Lisboa antiga também são complicados, porque a cadeira treme bastante. Como solução, acho que o rebaixamento dos passeios era fundamental. Eu já andei sozinha na rua e não tinha ninguém por perto para me ajudar a subir um passeio. Nunca vou ter independência a circular se não tiver os passeios rebaixados e se não os respeitarem!

IM: Como são as acessibilidades no seu local de trabalho?

RR- A Junta de Freguesia está toda adaptada. Tem casa de banho adaptada, as portas são largas e tem rampas. Tudo. O único obstáculo era a secretária que não estava ao nível da minha cadeira, mas eu levei uma mesa que tinha em casa e fui adaptando às minhas necessidades.

IM: E na Universidade onde estudou?

RR- A Lusófona até tinha acessibilidades, mas não todas quanto deveria. No início havia bastantes barreiras arquitectónicas, mas devagarinho fomos tentando conciliar a mobilidade reduzida que eu tenho com os acessos na faculdade. No início não havia casas de banho adaptadas, depois construíram uma e hoje em dia já existem duas. Há pavilhões que têm salas em baixo e em cima e eu logo no início do ano pedia para a minha turma ficar nas salas de baixo. O problema era que a meio do semestre decidiam mudar de sala para o andar de cima, portanto quando chegava, tinha de voltar para trás, porque não tinha como ir para a sala. Era mesmo frustrante! Isso aconteceu até em exames. Eu ia preparada para aquele dia e diziam-me para voltar depois e fazer o exame no gabinete do professor. Não devia ser obrigada a estar isolada a fazer o exame, não é? Quer dizer, eu era igual para pagar as propinas, mas não era igual para ter os mesmos direitos e condições.

IM: Encontra limitações de acessibilidade ao nível dos serviços?

RR- Ainda há muitos balcões em locais como as Finanças por exemplo que são muito altos. Eu tenho o privilégio da minha cadeira levantar em altura, mas quem não tem… Nos supermercados grandes não há dificuldades, mas nos mais pequenos quase não dá para a cadeira circular. Outro problema é a falta de casas de banho adaptadas. Mesmo quando há, como no Colombo, são demasiado pequenas. A minha cadeira só entra numa, que é a do cinema. É raro encontrar uma casa de banho dita adaptada em que a cadeira possa circular lá dentro. Além disso, novamente, a falta de civismo das pessoas é um problema. Temos prioridade nas filas, é um direito, e as pessoas nem sempre aceitam isso. Às vezes não é fácil lidarmos com essas situações. As mentalidades têm de ser mudadas, enquanto isso não mudar, não andamos para a frente. O deficiente ainda tem o rótulo do coitadinho e o coitadinho é para estar em casa. É impensável eu ir para o Bairro Alto. Mas eu vou! Também trabalho muito ao nível da inclusão na Associação Casa do Chapim. Trabalhamos com pessoas com mobilidade reduzida, amigos e familiares. Damos formação nas escolas pelo país, para sensibilizar.

IM: E ao nível das práticas de lazer?

RR- Gosto de ir ao cinema e gosto muito de teatro. Nas salas há um espaço para a cadeira de rodas mas se eu vou com um grupo de amigos que não têm mobilidade reduzida, eu fico ali sozinha e o grupo de amigos vai para outra fila. Não ficamos ao pé das pessoas que vão connosco. É ridículo!

IM: ­­Então acha que é importante que quem tem mobilidade reduzida se pronuncie e envolva na luta pela melhoria e igualdade de acessos?

RR- Sim, sem dúvida. Há muitas pessoas com mobilidade reduzida que se isolam, mas se a mentalidade dessas pessoas também mudar, tudo pode ser diferente. Claro que se formos muitos a lutar pelo mesmo, acho que alguma coisa é obrigada a mudar.


Texto: Inês Maia | Fotos: Raquel Rodrigues | Edição: Lisboa (In)Acessível


Pensar as acessibilidades é tarefa de todos

10 Jun

Texto e Foto: Inês Maia | Edição: Lisboa (In)Acessível

Inês Maia, autora do texto e foto.

Inês Maia, autora do texto e foto.

Chamo-me Inês Maia, tenho 22 anos e encontro-me a concluir a licenciatura em Sociologia no ISCTE-IUL, em Lisboa. No âmbito da disciplina de Sociologia da Vida Quotidiana, aquando do debate sobre os temas dos trabalhos a desenvolver, o Professor incentivou-nos a alargar horizontes em termos de objectos de estudo, a pensar o que até aí não tínhamos pensado e a transformar em enigmas de investigação o que nos despertava curiosidade. Estava lançado o repto. Com a curiosidade sociológica aguçada aliada ao confronto com as dificuldades de circulação de uma pessoa próxima, que se encontrava na altura a necessitar de muletas para se deslocar, despertei para a temática e surgiu a primeira interrogação: como será circular quotidianamente com mobilidade reduzida  numa cidade como Lisboa?

Aquilo sobre o qual até aí nunca tinha pensado, impôs-se de rompante como uma evidência: os percursos que compõem os meus dias seriam em alguns casos impossíveis de concretizar se circulasse por exemplo numa cadeira de rodas. A partir daí cresceu o caudal de questões que veio a estar na base do trabalho e com ele surgiu o meu despertar para a justeza desta questão: As necessidades de quem tem mobilidade reduzida não andarão esquecidas por quem pensa e planeia a cidade? Como pode Lisboa ser verdadeiramente democrática no que ao usufruto do espaço público diz respeito, se quem circula com limitações na sua mobilidade se depara com tantos obstáculos? Que experiência quotidiana é esta de circular com mobilidade reduzida, por Lisboa? Afinal, como pode esta cidade ser de facto para todos?

Não tenho mobilidade reduzida e, até ter desenvolvido este trabalho, não conhecia ninguém que tivesse. Apesar de ser estudante de sociologia, de estar desperta para um conjunto de problemas sociais e de ter uma participação política activa, sou obrigada a admitir que nunca tinha pensado sobre a questão das acessibilidades. Degraus em praticamente todo o lado, elevadores avariados em estações de metro ou autocarros sem rampas, caixas multibanco demasiado altas, passeios com 2cm de altura ou restaurantes com casas de banho minúsculas não representam de facto obstáculos para mim. Contudo, representam para muitas pessoas que vivem, estudam e trabalham em Lisboa. Aquilo sobre o qual nem parava para pensar são afinal barreiras para quem circula com mobilidade reduzida. Aquilo sobre o qual nem parava para pensar são mecanismos que em muitos casos discriminam e excluem quem tem todo o direito ao usufruto da cidade. E se me apercebi que assim é, então pensar as acessibilidades passou também a ser tarefa minha. É necessário, e urgente, que todos despertemos e nos sensibilizemos perante esta questão. Todos. Com e sem mobilidade reduzida. Porque participar nesta batalha é defender a igualdade e o respeito pelo outro; é exigir dignidade, independência e autonomia para a vida de quem tem mobilidade reduzida; é construir Lisboa como uma cidade verdadeiramente para todos.

LONDRES

30 Mar

Uma cidade com passeios “de se lhe tirar o chapéu”!

Fotografia que mostra em destaque uma estátua do urso Paddington, um personagem clássico da literatura infantil do Reino Unido, com a sua gabardine amarela, a carregar do lado esquerdo a sua pasta amarela, e do lado direito a tirar o seu chapéu também amarelo. Ao redor vê-se o piso cinzento betonado, molhado da chuva mas em bom estado de conservação. Como pano de fundo vê-se uma parte da catedral de Saint Paul.

LONDRES é uma das cidades europeias de referência ao nível das condições de acessibilidade pedonal que oferece.

A maioria dos seus troços pedonais, quer das zonas históricas como das habitacionais, são regra geral largos, de betão bem aplanado e em óptimo estado de conservação, e têm o mobiliário urbano devidamente ordenado, criando-se assim uma via contínua, confortável e sem constrangimentos de locomoção para os peões.

Foto que mostra treze peões a atravessar a London Bridge (Ponte de Londres), em direcção ao centro de trabalho da cidade.  Foto retirada do google.

As passagens de peões estão naturalmente niveladas, com uma sinalização táctil bem destacada, e com a presença contínua das “tradicionais” indicações de segurança “look left” (olhe para a esquerda) e “look right” (olhe para a direita). A sinalização sonora nas passageiras também é uma constante.

Fotografia de parte do passeio onde se destaca o piso táctil cizento e a indicação Look Left, ou seja, olhe para a esquerda.

Uma especificidade existente sobretudo nas zonas turísticas da cidade, que é de extrema importância e utilidade, são os frequentes mapas locais instalados nos passeios, que indicam o sítio exacto onde o peão se encontra, bem como toda a área e vias envolventes, destacando os locais turísticos de maior interesse. Um exemplo destes mapas é o evidenciad0 na seguinte foto à esquerda.  

A foto do lado esquerdo mostra um dos mapas locais da cidade situado na margem esquerda do passeio, em betão e perfeitamente aplanado. A foto do lado direito mostra peões a circularem por uma das zonas de londres apelidada de Chinatown, que tem um passeio  empedrado bem aplanado.

Estas condições “de se lhe tirar o chapéu” garantem o conforto e a segurança aos milhões de peões que transitam diariamente pela extensa cidade, independentemente das suas capacidades motoras e de deslocação.

Acessibilidade na Lusófona?

5 Nov

Este slideshow necessita de JavaScript.

Madalena e Carina Brandão encontram-se atualmente a frequentar o mestrado na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, no Campo Grande, em Lisboa, e relatam-nos qual a sua experiência ao nível dos acessos neste estabelecimento de ensino.

A Lusófona é constituída por vários edifícios antigos de dois a três andares, e por isso, apresenta grandes desafios de acessibilidade, o que não a impede de ter muitos estudantes com mobilidade reduzida, e de ter vindo a adotar inúmeras medidas para fazer face a estas dificuldades, nomeadamente:

  • A construção de rampas de acesso às salas nos pisos inferiores dos edifícios, que no entanto são, infelizmente, demasiado inclinadas, não cumprindo a lei e, a implementação de rampas de inclinação adequada às salas de estudo
  • A instalação de WC´s adaptados, de elevador num dos edifícios e, de uma Lagarta para subir escadas para os laboratórios; e,
  • O rebaixamento de alguns passeios.

Tanto os professores como funcionários da universidade são de uma forma geral muito humanos e sensíveis a estas questões, fazendo “de tudo” para que as pessoas com mobilidade reduzida ultrapassem as dificuldades com que se deparam e vivam com o máximo conforto, como o demonstram as seguintes experiências positivas por nós vivenciadas no espaço académico:

  1. A cedência de dois lugares de estacionamento gratuito, após a nossa reivindicação pela falta de condições de acessibilidade no exterior e interior da universidade, e de relatarmos os constrangimentos ocasionados pelas constantes avarias nas rampas dos autocarros da Carris, e outras dificuldades que temos aquando da utilização dos transportes públicos;
  2. A colocação de uma rampa de acesso ao edifício da secretaria da escola de psicologia, como uma alternativa ao elevado degrau pré-existente, causa pela qual as pessoas com mobilidade reduzida tinham que ser atendidas no exterior do edifício. Esta medida foi concretizada após a nossa contestação, questionando-nos perplexas como é que anteriormente nenhuma pessoa com mobilidade reduzida a frequentar a universidade e o curso de psicologia, havia insistido nesta reclamação…?

Enquanto estes dois requisitos de acessibilidade nos foram rapidamente atendidos e facilmente concretizadas, continuamos a ter que enfrentar determinadas dificuldades, como o acesso à sala de aulas, que é feito por uma rampa inclinada ou a deslocação acompanhada aos cafés e ao wc, uma vez que estes estabelecimentos estão situados numa zona que não é totalmente plana e, os cafés têm degraus à entrada…. Felizmente estamos rodeadas de ótimos colegas que nos ajudam com agrado a ultrapassar todas estas adversidades, no entanto, pensamos que “todos gostamos de ter a nossa autonomia”.

Porto, uma cidade inclusiva

15 Out

Testemunho de Hugo Vilela

Foto de Hugo Vilela sentado na sua cadeira de rodas eléctrica.

Texto escrito por Hugo Vilela & 
editado por Lisboa (In)Acessivel


A minha visão sobre as acessibilidades no Porto foi modificando de acordo com três fases distintas de mobilidade e autonomia na minha vida, que irei nomear e descrever em seguida:

1) Quando era totalmente autónomo na locomoção. 

2) Quando me deslocava com a ajuda de uma canadiana.

3) Quando senti a necessidade de me deslocar definitivamente numa cadeira de rodas eléctrica. 

1) Primeira Fase

Nesta fase a minha mobilidade e autonomia eram totais. Assim, vi e senti verdadeiramente o encanto e a mística do Porto nas diferentes actividades a que me fui dedicando, como a ida às compras com a minha mãe na Rua de Santa Catarina, ou,mais tarde, quando saia à noite e frequentava os bares da Ribeira com os meus amigos, ou participava nos jantares, serenatas da minha tuna e nas suas actuações no Coliseu do Porto; ou quando ia aos jogos do FCP ou passeava na Foz e no centro da cidade; e também quando tinha de tratar dos meus assuntos pessoais. 

Nesta altura, o Porto era uma cidade totalmente acessível e inclusiva para mim e quase tudo me era garantido de forma autónoma. Bastava eu decidir o que/onde pretendia, e não havia hesitações.

Passado algum tempo, e ainda nesta fase, comecei a sentir algumas dificuldades ao nível da minha mobilidade, e determinadas deslocações já se constituíam como um verdadeiro desafio para mim. Nomeadamente, se tivesse que subir passeios sem rampas (como na Ribeira do Porto dessa altura); subir ruas muito inclinadas (como por exemplo a Rua 31 de Janeiro); entrar num edifício com escadas (como a Torre dos Clérigos); ou, deslocar-me em pisos com paralelos (como por exemplo quando ia às atuações nas Caves do vinho do Porto, em Gaia)… mas…. ia na mesma, porque com mais ou menos dificuldade conseguia superar os obstáculos. Nos locais onde existiam escadas, eu já pedia por um elevador e, antes de me deslocar a determinado sítio,  gostava de saber antecipadamente se tinha ou não elevador. Se o espaço tivesse elevador eu ficava tranquilo, porque o acesso me era garantido sem grandes preocupações.

2) Segunda Fase

Quando comecei a deslocar-me com a ajuda de uma canadiana, tentei encontrar na cidade o mesmo padrão de acessibilidade e inclusão da fase anterior. Mas senti algumas diferenças….A cidade era a mesma… mas os meus desafios de mobilidade e acessibilidade é que já eram maiores e a perspectiva que passei a ter da cidade do Porto, como uma cidade inclusiva, mudou ligeiramente.

Nesta fase comecei a hesitar antes de decidir ir a algum lado. Apesar de ainda conduzir e já ter o dístico de estacionamento para pessoas com mobilidade reduzida, só me decidia a ir se tivesse a certeza que os acessos me eram garantidos. Por exemplo, só ia aos jantares com os meus amigos, se tivesse a certeza que não ia percorrer grandes distâncias, se houvesse estacionamento, se a entrada não tivesse degraus e, no caso de ser necessário subir escadas para aceder à sala de refeições, haver um elevador, ou então se os meus amigos se disponibilizassem a ajudar-me a subir as escadas. Esta última hipótese não era para mim a mais favorável uma vez que sempre quis realizar tudo autonomamente, mantendo o mesmo padrão de cidade inclusiva da primeira fase. Também ia apenas à zona de restauração da Ribeira,  se encontrasse um estacionamento no recinto junto ao restaurante, no caso de ir com alguém, me deixassem no local.

imagem

Assim, não tenho muitas histórias para contar desta fase, uma vez que moro em Gaia e devido à sua proximidade com o Porto, preferia ir com os meus amigos sistematicamente aos mesmos locais, ou seja, aos cafés em Lavadores, onde encontrávamos estacionamento perto, evitando assim maiores preocupações com as acessibilidades, não usufruindo em pleno a que o Porto tem para oferecer.

3) Terceira Fase

A terceira e última fase corresponde à actualidade, em que me desloco em cadeira de rodas elétrica. Desde que comecei a andar com esta cadeira, a minha mobilidade melhorou consideravelmente. Consigo percorrer grandes distâncias nas ruas de Gaia e do Porto sem esforço. Os transportes públicos (metro, comboio e autocarros) conseguem alavancar o meu raio de deslocações com a cadeira, dentro e fora da cidade do Porto. No entanto, fui-me deparando com outros desafios de acessibilidade encontrados que se resumem basicamente…à falta de escolha e ao facto de quase todos os dias precisar de pensar antes de decidir.

No entanto, o Porto tem evoluído bastante nos últimos anos no que diz respeito às acessibilidades na via pública, principalmente no centro da cidade. Assim, a minha experiência de mobilidade no centro da cidade tem sido bastante positiva, e se me pedissem para avaliar o grau de acessibilidade na via pública, diria que esta é acessível, apesar das dificuldades sentidas em algumas situações. Já os utilizadores de cadeiras de rodas manuais podem ter mais razões de queixa, devido à inclinação acentuada de algumas ruas e dos lancis dos passeios junto às passadeiras, bem como de alguns obstáculos encontrados durante o percurso. Quanto aos transportes, a minha opinião também favorável. O Metro do Porto é excelente. Relativamente aos autocarros da STCP também tenho uma opinião favorável, apesar de em todas as suas linhas possuírem rampas, e circunstancial avarias das existentes. Quanto aos comboios urbanos da CP, também não tenho razões de queixa, excepto em relação à altura da plataforma em determinadas estações.

Em relação ao acesso aos edifícios, todos os dias tenho de pensar e planear com antecedência os locais onde posso ir. Por exemplo, em que restaurante poderei ir jantar com os meus amigos no qual apenas vou se tiver entrada acessível. No caso de ser num prédio com vários andares o elevador é importante ou se quiser ir ao cinema, o centro comercial tem de ter uma casa de banho acessível com as devidas condições. Sei que existem edifícios acessíveis para mim, esses são para mim uma referência e por isso sou cliente assíduo desses estabelecimentos.

porto_1
Conclusão

A cidade do Porto e as experiências que tem para oferece são inesquecíveis, pois, tal como o seu vinho, com o passar do tempo “fica cada vez melhor”! O seu grau de inclusão é que vai mudando em função do número de pessoas que sentem necessidade procurar locais acessíveis

É assim importante reconhecer e distinguir as práticas portuenses que melhor promovem a igualdade de oportunidades de escolha a todos os cidadãos e turistas.

Avarias Crónicas

8 Out

Quão frequentemente utilizamos a expressão “É só uma dorzinha nas costas” para definir a angustiosa e persistente dor que nos magoa e que tentamos ocultar como algo natural e trivial? É verdade que sentir dor é inevitável, mas ao contrário do que se deva pensar esta pode e deve ser tratada.

Podemos comparar a forma como são tratadas este tipo de dores, àquela que é utilizada para lidar com os diferentes tipos de avarias, demasiado persistentes, que grassam nas ajudas técnicas essenciais à deslocação autónoma e livre dos cidadãos com mobilidade reduzida em Lisboa (e provavelmente noutras localidades do país).

Designadamente, como podemos compreender que os elevadores, as plataformas elevatórias e as rampas de acesso a espaços, edifícios e transportes públicos estejam constante e invariavelmente avariados, por tempo indeterminado, muitas vezes sem qualquer explicação [capaz], transtornando e MUITO a vida das pessoas que mais deles precisam e deles dependem…?

De facto, quando estas avarias estão directamente relacionadas com mecanismos que afectam a vida diária das pessoas, nomeadamente daquelas cuja condição física as impede de aceder de outra forma alternativa e autónoma àquelas espaços e serviços sem o auxílio destas ajudas técnicas… enfrentamos um problema gravíssimo e inaceitável de funcionamento dos serviços públicos e de desrespeito pelos direitos humanos fundamentais…

Quantos são os relatos ouvidos em relação aos inúmeros incómodos e atrasos ocasionados pelas avarias repetidas das rampas automáticas dos autocarros da Carris…chegando a passar três autocarros com as rampas avariada e, quando chega o quarto, com a rampa a funcionar, o motorista proíbe que entrem duas pessoas em cadeira de rodas no autocarro porque a lei apenas permite que uma pessoa em cadeira circule em cada autocarro por questões de segurança…?

E as saídas tantas vezes frustradas como resultado de uma avaria nas plataformas elevatórios ou nos elevadores de alguns espaços de atendimento ao público ou em estabelecimentos comerciais…? … Para não falar das avarias constantes dos elevadores do metro (tendo em consideração que há ainda poucas estações que os têm!) que obrigam as pessoas com mobilidade reduzida a percorrer maiores distâncias para encontrar uma estação que tenha elevador, e, a funcionar…?

E as intermináveis desculpas de avarias nas casas de banho adaptadas…que na verdade se encontram encerradas “há anos” para arrumação de material ou afins…? …E… poderíamos acrescentar uma lista infindável de interrogações cuja resposta não nos satisfaz…porque não nos convencem, não resolvem o problema em questão, não dão alternativas a situações que se repetem continuamente, dificultando o quotidiano de quem já devido à sua condição física está habitualmente mais condicionado.

Na verdade, muitas são as desculpas… algumas as razões … mas nenhuma se faz razão … se não houver uma pronta e eficaz adopção de medidas sérias e eficazes de resolução destas avarias crónicas.

NOTA: De acordo com a legislação portuguesa os autocarros que NÃO têm as rampas automáticas a funcionar e que apresentam o símbolo de acessibilidade universal, NÃO podem circular e atender ao público. Na situação da proibição da circulação de duas pessoas em cadeiras de rodas num mesmo autocarro, o dever de cumprimento desta normativa é incompatível com o incumprimento da norma que proíbe a circulação de autocarros com rampas avariadas…

Olhar de Norberto Sousa sobre as acessibilidades em Lisboa

1 Out

Foto perfil de Norberto Sousa, a sorrir.

Norberto Sousa aceitou o nosso desafio de responder de forma pertinente a questões relativas às condições de acessibilidade em Lisboa.

Perfil de Norberto Sousa (NS)

Norberto Sousa é licenciado em Línguas e Literaturas Modernas, inglês-alemão, formador e consultor de acessibilidade web e digital, a instituições como o Museu da Batalha e o Banco de Portugal. Tem um vasto Know-how nas áreas da informática e das tecnologias de apoio, diretrizes de acessibilidade WEB, plataformas de aprendizagem e ambientes virtuais, jogos e software acessível para pessoas com deficiência visual. Colabora no portal Lerparaver, no projeto Dosvox, e, é um dos fundadores do ComAcesso**. É membro do centro de investigação iACT do IPLeiria e colabora com o mesmo na análise de plataformas e conteúdos para o e-Learning; é um dos autores do artigo “Accessible e-learning – practices and research in the Polytechnic Institute of Leiria” apresentado no W3C, e, do “Guia de Produção de Materiais Digitais Acessíveis”, entre outros artigos científicos. Colaborou em vários projetos nacionais e europeus, nomeadamente o EU4ALL. Foi contemplado com o primeiro prémio internacional Onkyo Braille Essay Contest promovido pela EBU, entre outros prémios literários.

De uma forma geral como considera que são as condições de acessibilidade oferecidas pela capital?

NS – Muito más. Excluindo alguns locais, onde são respeitadas algumas normas de acessibilidade, continuamos a encontrar passeios totalmente ocupados por automóveis e por objetos que dificultam a mobilidade de todos; continuamos a construir edifícios/espaços públicos, comerciais e privados sem pensarmos na acessibilidade. Resumindo, continua a haver falta de organização urbana, de fiscalização, de civismo e de sensibilidade.

Quer fazer algum paralelismo em relação ao tipo de condições encontradas na Madeira, sua localidade de origem?

NS – Nas zonas urbanas da Madeira notei uma grande melhoria na acessibilidade dos espaços públicos. Talvez por haver maior proximidade dos autarcas da população e consequentemente uma maior abertura para ouvir as sugestões das pessoas têm sido eliminados alguns pontos com problemas de acessibilidade.

Como residente na Grande Lisboa, quais são as dificuldades pessoais que encontra no seu dia-a-dia, como consequência, directa ou indirecta, das barreiras existentes relativamente à acessibilidade (espaços/serviços/atitudes)? Pode descrever estas dificuldades e barreiras?

NS – As maiores dificuldades são pilaretes colocados indevidamente no meio dos passeios e de passadeiras; automóveis, bocas de incêndio e sinalização, obras não sinalizadas que dificultam ou impedem a passagem nos passeios e por vezes dão mesmo origem a pequenos acidentes; semáforos sem sinal sonoro e muitos outros objetos, como caixotes do lixo, que são colocados em qualquer sítio. Há ainda os buracos provocados pelo estacionamento indevido dos automóveis, caixas de eletricidade, esplanadas sem delimitação e outros objetos com publicidade de espaços comerciais. Sair à rua em Lisboa é uma verdadeira aventura, uma gincana com barreiras novas a cada minuto!

Estas dificuldades condicionam a sua vida diária? Como? Deixa de ir a determinado local, recorrer certos serviços, realizar tarefas ou exercer os seus deveres e direitos de cidadania porque por causa de entraves à acessibilidade (por exemplo, participar nos actos eleitorais)?

NS – Sendo cego, as barreiras que apontei não me impedem de fazer as minhas tarefas diárias, mas limitam a sua realização em plena normalidade e provocam grande instabilidade emocional pois é sempre uma incógnita quando vou magoar-me, sujar-me ou perder-me no trajeto porque tive de fazer algum desvio por causa de uma barreira nova.

Na sua opinião, quais seriam as prioridades a adoptar na cidade de Lisboa ao nível das acessibilidades, nomeadamente em relação às condições oferecidas aos cidadãos cegos ou com baixa visão?

NS – Fiscalizar para eliminar espaços comerciais que eram estacionamento de edifícios e que tiveram como consequência a ocupação dos passeios por automóveis; reorganizar os passeios criando-se espaço exclusivo para passeio e, onde isso fosse possível, espaço para estacionamento; legislar para que a calçada portuguesa fosse utilizada apenas em zonas históricas ou no máximo em redor de edifícios públicos importantes, dado que este tipo de pavimento provoca grande reflexo de luz, provoca acidentes por ser muito escorregadio e por ser muito instável, quer devido à sua irregularidade, quer devido aos buracos que surgem com frequência. Reorganizar o mobiliário urbano e criar condutas de recolha de lixo com pontos fixos para que os passeios sejam sinónimo de verdadeira mobilidade livre e segura.

Assume algum papel interventivo na melhora das condições de acessibilidade em geral, e em particular na cidade de Lisboa?Se sim, qual?

NS – Na área da acessibilidade física, como cidadão ativo, tento informar as autarquias ou outras entidades competentes quando encontro alguma barreira de acessibilidade ou barreiras perigosas. Infelizmente a falta de sensibilidade e de abertura de alguns responsáveis e falta de fiscalização das entidades competentes faz com que os problemas de acessibilidade não sejam resolvidos por mais simples que sejam. E, assim, a inacessibilidade e a falta de civismo em Portugal continua.Na área da acessibilidade digital, sou consultor de acessibilidade Web e digital e tento sensibilizar e incentivar as instituições, empresas e particulares a desenvolverem Sites e produtos digitais acessíveis ao maior número de pessoas.

**www.comacesso.pt

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 3.558 outros seguidores

%d bloggers like this: