Gulbenkian & Oceanário

16 Jul

Quer saber quais são as condições de acessibilidade que pode encontrar  na Fundação Calouste Gulbenkian e no Oceanário de Lisboa?

Então, este POST foi feito a pensar em si!

No passado dia 5 de Julho pudemos verificar estas condições, com grupo de estudantes de Gestão do Lazer e Animação Turística, da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril e, as informações que em seguida veiculamos foram inteiramente retiradas do seu relatório curricular “Turismo sobre Rodas – Um estudo”, elaborado no âmbito da cadeira  “Planeamento e Gestão em Actividades para Populações Especiais (PGAPE)”, que nos foi gentilmente cedido, e que se encontra disponível na íntegra para consulta e download na nossa secção “Documentos TOP +” [Ler Nota I no final deste POST].

Acessibilidades da Gulbenkian

Vista do exterior da Fundação Calouste Gulbenkian. Num primeiro plano a estátua do fundador e do símbolo da fundação (uma águia), e por detrás visiona-se parte do edifício sede rodeado por árvores dos jardins.

 1. ACESSO E ESPAÇO EXTERIOR

a) Estacionamento

Existe estacionamento prioritário, e este satisfaz as normas de acessibilidade em quantidade e qualidade.

b) Sinalização

A sinalização utiliza caracteres e simbologia adequados, cores e contrastes adequados e material da superfície sinalética adequado. No entanto, poderia ser mais abundante e incluir direcções para as instalações sanitárias mais próximas, bem como indicação de se estas são ou não acessíveis.

c) Passeios e caminhos de peões

O percurso desde a estação de metro mais próxima é longo e não é ideal para pessoas com mobilidade reduzida. O espaço exterior dentro do recinto da Fundação tem piso irregular e não inclui um percurso acessível por toda a sua área; no entanto, já existe um percurso acessível por parte dos jardins, e este satisfaz as normas de acessibilidade.

2. CIRCULAÇÃO INTERIOR

a) Piso

Uma parte significativa do piso no edifício central é alcatifado, o que dificulta ligeiramente a deslocação em cadeira de rodas e é um potencial alergénico.

b) Portas

As portas utilizadas na circulação pelos espaços para fins de lazer cumprem as normas de acessibilidade quanto às dimensões e visibilidade. No entanto, algumas das portas de utilização mais crucial não são manuseáveis por populações de mobilidade reduzida sem intervenção externa por serem demasiado pesadas.

c) Balcão de Atendimento

São rebaixados e satisfazem as normas de acessibilidade.

d) Instalações Sanitárias

Cumprem alguns dos requisitos mínimos, nomeadamente arquitectónicos, mas nem todas têm o cordão de alarme funcional e a sua localização não está sinalizada em várias partes do edifício. Não é possível o acesso directo e autónomo às instalações sanitárias dentro do edifício central (i.e. este acesso tem que ser feito com o apoio e indicações dos prestáveis seguranças de serviço).

SÍNTESE

↑ Pontos Fortes

As instalações estão preparadas para receber populações com mobilidade reduzida, com dificuldades visuais e dificuldades auditivas. Os recursos humanos da Fundação estão preparados para dar resposta a solicitações de assistência e antevêem situações adversas, possibilitando a superação de obstáculos arquitectónicos.

↑ Aspectos a Melhorar em Prol da Acessibilidade

Impasse burocrático requer criatividade e sensibilidade na implementação de acessibilidades físicas. O acesso pedonal desde a estação de metro acessível mais próxima (S. Sebastião) até ao recinto pode ser melhorado, nomeadamente através da possibilidade de entrada no recinto e circulação em percurso acessível no mesmo por uma ou mais entradas secundárias. O piso no espaço exterior da fundação é irregular, podendo este aspecto ser melhorado através da criação de um percurso acessível em piso regular.

 

Acessibilidades do Oceanário

Vista exterior do edifício do Oceanário de Lisboa.

1. ACESSO E ESPAÇO EXTERIOR

a) Estacionamento

Não existe estacionamento próprio do Oceanário, sendo que o estacionamento que serve as instalações encontra-se a uma distância significativa da entrada principal do espaço. O Oceanário preenche esta lacuna ao facilitar a permissão de paragem de veículos de grupos com mobilidade reduzida perto da bilheteira.

b) Sinalização

A sinalização utiliza carateres e simbologia adequados, cores e contrastes adequados e material da superfície sinalética adequado, sendo exemplar sobretudo no espaço da exposição permanente.

c) Passeios e caminhos de peões

O metro, com saída na estação de metro do Oriente, e algumas carreiras da carris, nomeadamente o 744 são os transportes públicos acessíveis que servem o Oceanário de Lisboa. O percurso desde estes transportes até ao Oceanário é longo e não é o ideal para pessoas com mobilidade reduzida, visto que o piso é irregular.

2. CIRCULAÇÃO INTERIOR

a) Piso

Uma parte significativa do piso no espaço da exposição permanente é alcatifado, o que dificulta ligeiramente a deslocação em cadeira de rodas e representa um potencial alergénico.

b) Portas

As portas utilizadas na circulação pelos espaços para fins de lazer cumprem as normas de acessibilidade quanto às dimensões. No entanto, algumas das portas de utilização mais crucial (nomeadamente de acesso a instalações sanitárias) não são manuseáveis por populações de mobilidade reduzida e implicam a necessidade de intervenção de terceiros.

c) Balcão de Atendimento

O balcão da bilheteira não é rebaixado, mas existe a possibilidade de recorrer ao balcão de atendimento ao visitante, adjacente à bilheteira.

d) Instalações Sanitárias

Cumprem a maior parte dos requisitos de acessibilidade, no entanto, o  acesso autónomo às instalações sanitárias dentro do edifício central é dificultado pelo por as portas serem um pouco pesadas. As casas de banho acessíveis no espaço da exposição permanente não têm cordão de alarme e as barras de apoio não estão totalmente funcionais.

SÍNTESE

↑ Pontos Fortes

As instalações estão preparadas para receber populações com mobilidade reduzida, com  dificuldades visuais e dificuldades auditivas, e a sua circulação autónoma por todo o espaço de exposição permanente está assegurada.

↑ Aspectos a Melhorar em Prol da Acessibilidade

Será necessário efectuar com a maior brevidade possível a colocação de cordões de emergência, e uma correcta recolocação das barras de apoio,  nas casas de banho acessíveis no espaço da exposição permanente, com vista à garantir de segurança dos utentes.

O Oceanário de Lisboa poderia disponibilizar um mapa de relevo apropriado para que as populações com dificuldades visuais pudessem entender a disposição do espaço do Oceanário.

RESULTADO DAS AVALIAÇÕES 

Em resultado da análise realizada aos dois espaços, o grupo de trabalho considera a Fundação Calouste Gulbenkian e o Oceanário de Lisboa acessíveis, na medida em que permitem uma utilização autónoma do seu espaço por parte dos visitantes, numa perspectiva de lazer.

NOTA I:

Também pode fazer directamente download destes documentos através dos seguintes links:

 

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: